Pular para o conteúdo principal

"Sinisdestra": 3

"Sinisdestra" é um livro de contos interligados por um tema comum a todos.
Você encontra as partes anteriores nas postagens antecedentes.


3.

A música repetitiva retumbava dos altifalantes no ambiente à média luz com uma atmosfera que cheirava a cigarro e perfumes adocicados. Parecia que a mesma canção marcava o ritmo noite adentro, alternando apenas a voz a cantar em um idioma estrangeiro que ninguém ali entendia. As palavras e sons incompreensíveis pareciam perfeitos para quem não queria olhar nem ouvir a si mesmo. Em constante animação, a casa de Madame Jubilosa permaneceu aberta durante todo o período difícil pelo qual vem passando o país. Apesar do medo imperante, lá havia espaço para um pouco de alívio, de conforto e de consolo.

Uma moça bastante magra, cabelos pretos escorridos que alcançavam o meio das costas, se sentou ao lado de um homem acompanhado apenas por uma garrafa de cerveja. Palavras eram trocadas ao pé do ouvido. Depois de uma mordiscada no lóbulo da orelha direita dela, eles foram para um dos muitos quartos em que as mulheres ganhavam a vida.

Hoje a noite promete ser agitada, constatava animadamente Madame Jubilosa.

É, tem um bando de soldados do lado de lá, mas os homens daqui estão retomando o vigor depois da derrota, acrescentou Andrea, uma das profissionais da casa.

Essa noite nós vamos fazer dinheiro, empolgadamente disse Carmem. E vou poder comprar o presente de aniversário para a minha filha. Desde o mês passado ela fica insistindo que quer uma coleção de livros de uma autora que ela gosta, aquela que faz bastante sucesso com as meninas. Vou dar. Enquanto ela está em casa lendo, não fica na rua para fazer bobagem.

Incentive essa menina, faça ela estudar e ela poderá ter um futuro melhor que o nosso, aconselhava Andrea.

Pelo menos trinta anos mais velha que as outras duas, Madame Jubilosa pensava na época áurea do seu negócio, quando o faturamento era cinco vezes maior do que é hoje. Além de comprar roupas caras, perfumes importados, trocar todo o mobiliário do seu negócio e da sua residência particular, ela pôde terminar os estudos básicos. Quando mais nova, nunca leu um livro porque o seu domínio sobre as letras e as palavras era tal como o de um montador inexperiente sobre um cavalo xucro. Agora, esporadicamente, lê uma obra de aventura, uma história policial, alguma coisa que tenha assassinato de um dos amantes e uma investigação repleta de reviravoltas. Ela sentia um pouco de inveja da menina, cujo futuro apontava em outra direção.

Ler e estudar é bom, mas não garante nada, cortou abruptamente Madame Jubilosa. Eu sou um exemplo. Só conclui os estudos quando já era mulher feita. Hoje tenho o meu negócio e não dependo mais de ninguém. Mais do que estudar, essa menina tem que aprender a fazer dinheiro. Mulher que não sabe se sustentar fica sujeitada às vontades de homem.

Um soldado estrangeiro com um ombro mais baixo que o outro se aproximou de Carmem e lhe ofereceu uma taça de vinho doce de mesa. Ele tinha um hálito muito ruim, o que deixou Andrea enjoada, mesmo que ela estivesse a mais de um metro de distância do homem. Após uma conversa de pouco mais de dois minutos, Carmem e o soldado subiram para um dos quartos vacantes.

Ainda bem que esse não foi comigo, confidenciou Andrea a Madame Jubilosa.

Hoje eu tenho que abrir as portas para qualquer um, mas você tinha que ver o que era isso aqui há vinte anos, gabava-se a proprietária com um tom de nostalgia em sua voz. O esplendor desse lugar foi quando João Remocaim assumiu pela primeira vez como ministro pelo governo do partido de direita. Ele foi um querido. Bom filho da terra, incentivou os negócios locais. Na época, ele era ministro da Educação, mas dizia, o que eu acho certo, que o povo só aprende se estiver feliz. O importante é que o povo esteja feliz. Uma parte da verba foi doada para incrementar a casa. Foi a melhor época da minha vida. Eu e as meninas que trabalhavam aqui naqueles tempos só recebíamos magnatas, políticos que vinham da Capital e artistas famosos. A bebida era melhor, a música era melhor, tínhamos uma banda que tocava ao vivo todas as noites. As meninas sempre foram lindas, porque sempre tive o cuidado de oferecer o melhor para os meus clientes, mas elas eram mais sortudas que vocês que estão aqui hoje. São outros tempos, mas tenho confiança que o meu amigo João Remocaim não vai me abandonar.

Eu não sabia que o ministro dava dinheiro das escolas para um puteiro, assombrou-se Andrea.

Olha como fala, menina, repreendeu Madame Jubilosa. Respeite o seu local de trabalho. Tenha consideração com a história desse lugar. Isso aqui é uma casa de meretrício. Puteiro é lugar sem estirpe, sem classe. Na minha casa não trabalham putas, apenas meretrizes.

Andrea desculpou-se pela colocação, embora não compreendesse perfeitamente como a simples troca de nomeação podia fazer tanta diferença quando o que resulta do ato é o mesmo produto.

Agora que o meu amigo João Remocaim é ministro de novo, tenho certeza que as coisas vão melhorar, esperançosamente afirmava Madame Jubilosa. Somente ele mesmo poderia fazer esse serviço de integrar o país ao comando estrangeiro. Que grande homem. Tem que ter muita humildade e amor ao seu povo para ser deposto do cargo de vice-presidente depois de ter perdido a guerra e, ainda assim, conseguir tratar com os invasores, negociar e ser nomeado ministro da Integração. É o maior cidadão que esse país já teve. Foi ele quem negociou o cessar fogo e poupou mais mortes na população deste país.

E o dinheiro que o país teve de pagar para acabar com a guerra? Isso acabou com as finanças da nação, criticou Andrea.

E o que você queria? Se não entregássemos, de qualquer jeito iriam tomar tudo o que temos, defendia Madame Jubilosa. No final, todos saíram ganhando. A guerra acabou, os que estão vivos agradecem que a morte os poupou, os invasores conseguiram nos dominar, é verdade, mas não estamos aniquilados. Teremos que aprender a não sermos mais nós mesmos, seremos como eles, mas talvez não seja ruim. Nunca fomos outros a não ser nós mesmos, talvez ser um estrangeiro dentro do seu próprio território não seja ruim. Afinal, o país perdeu todos os seus anéis, mas lhe ficaram os dedos.

Achei tudo muito precipitado, Andrea dizia de sobreaviso. Alguns generais afirmaram que poderíamos ter resistido mais e pedido ajuda internacional. Além do mais, o ministro João Remocaim saiu de derrotado para o governo dos invasores e ainda ganhou terras que eram federais na negociação de paz. Isso não fica bem.

O importante é que estamos vivos, disse irritadamente Madame Jubilosa. E você precisa circular atrás de homem. Chega desse papo. Eu só quero saber que o povo está feliz. Se não estiver ainda, vai aprender a ficar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher nua

Havia uma mulher nua na esquina. Vi de relance. Vi quase não vendo nada. A mulher nua estava em uma esquina; eu, na outra. Nossas trajetórias se encontraram na mesma rua, uma linha reta, mas com o pouco que vi, apenas percebi que ela estava nua. Duas ruas transversais nos separavam. Eu seguia um caminho, ela o cruzava em disparada. Tivesse eu passado trinta segundos antes, ou tivesse ela se atrasado meio minuto, estaríamos de frente um para o outro. Uma rota de colisão. Estivéssemos tão próximos, poderia lhe perguntar o porquê de estar nua. Por que estava nua na rua, mulher? O fato não teve outra testemunha. Toda a nudez foi apenas para os meus olhos. Foi tão rápido, uma correria, e meus olhos não enxergam muito bem à distância. Não sei se era bonita. A pele era branca, mas não era leitosa. Talvez gostasse de praia. A mulher nua talvez passasse horas no sol defronte ao mar. A morenice que os genes não lhe deram, haveria o sol de tratar. A mulher estava nua, mas não percebi marcas de bi…

"Poligamia Ou O Amor Maior" em pré-venda

O escritor Pablo Antunes lança o seu mais novo livro, Poligamia Ou O Amor Maior, em formato digital pela gigante Amazon. A obra concorre ao Prêmio Kindle de Literatura Nacional, e aborda importantes questões da atualidade.

O livro pode ser lido em tablets, celulares, dispositivos Kindle e computadores. À venda em: https://www.amazon.com.br/dp/B075GH8V4X/ por R$24,99.


Na história, que se passa em uma pequena cidade do interior, dois homens e três mulheres se envolvem em um relacionamento amoroso. A família polígama é alçada ao centro de um debate sobre o amor, o afeto e o sexo, que provoca questionamentos no comportamento em sociedade e no papel da política na vida privada dos cidadãos. Desse relacionamento incomum nasce o que o mundo não estava preparado para receber. E todos, perplexos, percebem que o impossível é apenas aquilo que ainda não aconteceu. 

Todos podem ler gratuitamente um trecho do livro em: https://goo.gl/9EmFDk
No Facebook, a fanpage é: https://facebook.com/poligamiapablo…

Lançamento de "Derrubada dos Muros e Outros Poemas"

https://www.amazon.com.br/dp/B074KRJQVG
Caros amigos e leitores,
está em pré-venda o meu primeiro e-book de poesia: Derrubada dos Muros e Outros Poemas na Amazon.com.br.

No próximo dia 15/08, Derrubada dos Muros e Outros Poemas chega em formato digital por apenas R$ 9,90. Encomende agora e receba no dia do lançamento.

São quarenta e três poemas entre inéditos e reescritos ao longo dos últimos meses, que abordam temas como: respeito à natureza e às diferenças, tolerância na busca por um mundo melhor e menos desigual, o fazer poético, as contradições humanas, os encontros e desencontros, afetos, amores, reflexões sobre a vida em constante movimento.

Por que lançar digitalmente? Porque quero que esses versos cheguem a vocês em seus celulares, tablets, Kindles e computadores. Quero que esses poemas possam acompanhá-los onde estiverem.

Quem quiser, também poderá encomendar uma edição artística, personalizada e autografada do livro impresso pelo e-mail:pablofnantunes@gmail.com

O e-book Derrubada d…