Pular para o conteúdo principal

"Sinisdestra": 4


"Sinisdestra" é um livro de contos interligados por um tema comum a todos.
Você encontra as partes anteriores nas postagens antecedentes.


4.

A torneira a pingar em intervalos regulares servia como prenúncio de uma tortura física ou psicológica que estava por vir. De certo não se sabia o que esperar do novo governo. A lei marcial imperava e a antiga constituição havia sido abolida com a anexação após a derrota na guerra. Nem mesmo juristas e magistrados saberiam enumerar os direitos dos cidadãos na atual condição em que se encontrava o país. Mais uma gota estalava contra a pequena pia da cela da penitenciária. As paredes mofadas da alcova não tinham sido preparadas para receber uma autoridade como aquela que a ocupava.

Depois de passar a noite em claro, o senador Afonso Constante via a luminosidade solar passar paralelamente às grades da janela que o mantinham recluso. Após ter sido buscado em sua casa na manhã anterior, quando membros do exército invasor o levaram com o propósito de tomar o seu depoimento, o importante político ainda não havia sido ouvido. Depois de ter de se despir e colocar um uniforme da prisão, foi deixado em uma cela à espera de um investigador que ainda não o havia procurado. A expectativa já durava mais de vinte e quatro horas. A apreensão e o nervosismo afetavam a pressão arterial desse homem de setenta e um anos. Nenhum auxílio médico haveria de socorre-lo se fosse necessário.

O senador fitou a porta da cela quando a tranca começou a ser aberta. Um investigador acompanhado de dois soldados armados ordenou que o prisioneiro seguisse-o até a sala de interrogatório. O trajeto custou a ser vencido, pois o passo vagaroso do senador Afonso Constante lhe parecia a via-crúcis com outros personagens em outro tempo.

Senhor Afonso Constante, o senhor sabe por que está aqui, perguntava o investigador.

Qual é o seu nome? Quero saber quem vai tomar o depoimento de um senador da república, respondeu o outro.

O senhor não está autorizado a conhecer a minha identificação, redarguiu o investigador. Saiba também que devido ao fechamento do congresso, o senhor não é mais um senador da república.

Isso é uma afronta aos direitos, uma afronta à democracia e aos meus eleitores que me nomearam como seu representante na casa legislativa, exaltou-se Afonso Constante.

O depoimento se estendia por horas. Roncos abdominais emanavam do depoente que não havia se alimentado desde o modesto jantar na prisão. O cansaço da noite não dormida começava a pesar sobre o seu corpo enfraquecido. Ele pediu uma pausa para se alimentar e descansar um pouco, mas ouviu como resposta que a autoridade ali era outra. Somente parariam os trabalhos quando estes fossem conclusos.

A insistência do investigador em questionar sobre os planos dos congressistas destituídos em contatar países do norte em busca de auxílio bélico e diplomático era dificilmente assimilada pela cabeça zonza de Afonso Constante. Por três vezes, pediu que o outro fizesse o favor de parar com aquilo. Ele ficou atônito com a atitude do investigador. Enquanto a sua face ardia, não conseguia acreditar que agente do exército lhe dera uma bofetada no rosto. Um homem de setenta e um anos apanhando de outro que poderia ser seu filho quiçá seu neto. Se deparava com a gravidade da situação. Qualquer coisa que acontecesse naquela penitenciária não teria conhecimento do mundo.

Deixe-me falar com o ministro João Remocaim, pedia Afonso Constante. Ele poderá explicar tudo. Vamos encerrar esse mal entendido. O ministro irá esclarecer qualquer ponto que não pareça inteligível. Nós somos amigos e companheiros do mesmo partido. Tudo o que eu não tive capacidade de esclarecer, o meu amigo poderá fazê-lo.

Por telefone, o investigador falava com o ministro João Remocaim. O prisioneiro acompanhava com olhos e ouvidos atentos o desenrolar daquela conversa que se estendia à sua frente. Na porta da sala, os dois soldados armados estavam impassíveis formando uma barreira intransponível. Quando o relógio da sala de interrogatório já marcava dez minutos de conversa telefônica, o investigador começou a fazer as despedidas e tencionava desligar o aparelho. Afonso Constante se precipitou sem pensar sobre o telefone e tomou-o da mão do investigador.

Remocaim, me explique o que está acontecendo, disse aturdido. O desgraçado desligou. O desgraçado desligou o telefone na minha cara.

Está bem claro quem é e quem não é seu amigo, sentenciou o investigador. O senhor é acusado de conspiração contra o novo governo, de terrorismo, de formação de quadrilha, de chefiar insurgentes, de conduta criminosa, de ser uma ameaça à estabilidade nacional, de ter um pensamento subversivo, de conspirar contra a integração do território conquistado ao poder dominante e de tentativa ilegal de pedir auxílio internacional.

Você só pode estar brincando, algumas dessas acusações nem são crimes, contestou espantado o incriminado.

Uma nova bofetada na cara o fez tombar. No chão, Afonso Constante sentiu uma solidão nunca experienciada anteriormente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Temer tira a grande imprensa do vermelho

Este texto é a minha mais recente colaboração com o Observatório da Imprensa. Convido-os à leitura.

"Temer tira a grande imprensa do vermelho"
Por Pablo Antunes em 13/10/2016 na edição 923

"Há anos, cientistas políticos alertam que o pior de um presidencialismo de coalizão é a pulverização de favores a líderes políticos de diversos partidos em um troca-troca que envolve ministérios, secretarias e cargos de chefia em estatais em favor de apoio nas casas parlamentares e no aparelhamento do Estado.

A esse tenebroso cenário se soma uma outra coalizão que em nada respeita o direito do cidadão à informação e à liberdade de expressão. Desde que assumiu a presidência da república, interinamente, depois definitivamente, o governo Michel Temer elevou, sem qualquer constrangimento, as verbas publicitárias para a grande mídia oligárquica que produz as manchetes que informam e desinformam a maior parte da população brasileira. Essas empresas são: as Organizações Globo, as editoras Abril…

A mulher nua

Havia uma mulher nua na esquina. Vi de relance. Vi quase não vendo nada. A mulher nua estava em uma esquina; eu, na outra. Nossas trajetórias se encontraram na mesma rua, uma linha reta, mas com o pouco que vi, apenas percebi que ela estava nua. Duas ruas transversais nos separavam. Eu seguia um caminho, ela o cruzava em disparada. Tivesse eu passado trinta segundos antes, ou tivesse ela se atrasado meio minuto, estaríamos de frente um para o outro. Uma rota de colisão. Estivéssemos tão próximos, poderia lhe perguntar o porquê de estar nua. Por que estava nua na rua, mulher? O fato não teve outra testemunha. Toda a nudez foi apenas para os meus olhos. Foi tão rápido, uma correria, e meus olhos não enxergam muito bem à distância. Não sei se era bonita. A pele era branca, mas não era leitosa. Talvez gostasse de praia. A mulher nua talvez passasse horas no sol defronte ao mar. A morenice que os genes não lhe deram, haveria o sol de tratar. A mulher estava nua, mas não percebi marcas de bi…

TerŞarau de 16 de maio

Nesta terça-feira, 16/05, realizamos a edição do TerŞarau que abordou o tema "Ilusões" com interpretações do escritor Pablo Antunes e da artista plástica Giovana Vazatta.

No restaurante-café Josephina, em Gramado/RS, mais uma vez fomos muito bem acolhidos na casa gramadense do TerŞarau, onde tratamos do tema a partir dos enfoques das artes, da filosofia, da psicologia, da psicanálise, entre outros saberes.


Agradecemos a todo o público presente nessa noite tão especial para prestigiar o evento, especialmente ao Clube de Leitura da livraria Manas de Igrejinha/RS, que nos cedeu a maioria das fotografias registradas nessa noite.


Os poemas e textos recitados e declamados foram os seguintes:
“Vida ilusória” de Henry David Thoreau 
“A ilusão do imigrante” de Carlos Drummond de Andrade
“Conta a lenda que dormia” de Fernando Pessoa
“Quem sou eu além daquele que fui?” de Christian Gurtner
“A Parada da Ilusão” de João do Rio.
“Perdi os meus fantásticos Castelos” de Florbela Espanca.
“Ilusão Perd…