Pular para o conteúdo principal

Nove rodadas


            Mais uma mesa se esvaziava no bar. O garçom, tão logo recolheu o pagamento da conta, tratou de limpar a mesa, retirar copos, pratos, guardanapos e condimentos que compunham a imagem do abandono. Outro funcionário se aproximou com uma vassoura e fez a limpeza no espaço livre. As cadeiras viradas foram colocadas sobre a mesa, o que pareceu, para Silvério, uma coroa da rainha da Pérsia.

            Como é a coroa da rainha da Pérsia, quis saber Barbosa. Onde você viu isso?

            Palito não disse nada que os outros pudessem entender. Irra, iurra, airã, foi o mais próximo que conseguiram apreender do que falou o outro. Ele era o que estava mais tonto dos três após a sétima rodada de cerveja no bar. Mas, vocês não sabem nada mesmo, tentando consertar a confusa fala anterior.

            Quem é a rainha da Pérsia, Barbosa se dirigia diretamente para Silvério.

            Eu vi num livro de História, tentava explicar. A coroa parecia essa mesa com cadeiras de perna para cima.

            Quem usaria uma coroa dessas, Barbosa parecia inconformado. Só um rei muquirana daria uma coisa horrorosa dessas para a sua rainha.

            Irã, completou Palito. Vocês não sabem nada. A Pérsia é o Irã.

            A madrugada fria esvaziava o bar. As mulheres acompanhadas saíam abraçadas aos seus namorados, enquanto as mesas apenas com homens resistiam ao horário e ao clima gélido. Apenas três grupos permaneciam no local, além da equipe de trabalho. Pela mesa deles já tinham sido servidas duas porções de aipim frito, cebolas tostadas e, naturalmente, as bebidas. As cervejas artesanais produzidas em Santa Catarina eram a pedida da vez, uma moda entre os estudantes de Administração desde que Barbosa tinha ido à Oktoberfest de Blumenau e trazido essa tendência para a sua turma.

            É uma barata, perguntou Silvério apontando para o chão, próximo a outra mesa que acomodava dois pares de cadeiras viradas.

            Não, é uma daquelas coisas que as mulheres usam no cabelo, arriscou Barbosa enquanto apertava os olhos na tentativa de enxergar melhor.

            Acho que é uma barata, insistiu o outro.

            É o Sancho, do livro, acrescentou vagamente Palito. As palavras já saíam arrastadas, como se houvesse dois tempos, aquele contínuo e outro intermitente à espera dos ébrios.

            O quê, em uníssono indagaram os outros dois.

            Do Kafka, o livro do Kafka, explicava Palito. O Sancho é a barata do Kafka.

            Não é Sancho o nome dele, corrigia Barbosa. Sancho é o companheiro do Dom Quixote. Como é o nome da barata, Silvério?

            Desde quando barata tem nome, se surpreendeu o indagado. Tem uma barata no chão. Só não mato ela, porque já estou vendo duas e não sei se é a irmã da outra ou se é um holograma de teletransporte.

            Vocês estão muito bêbados, riu Palito ao perceber que a sua embriaguez não era solitária.

            A barata tem um nome sim, Barbosa ainda tentava buscar na lembrança encharcada. Também tem um S no nome, mas não é Sancho. É parecido com isso. Sandro, Sanha, Samba, Samsa. É isso! Gregor Samsa. Samsa e não Sancho é o nome da barata do Kafka.

            Sim, é isso mesmo, Gregor Samsa, confirmou Palito. O sujeito da fetamefo..., metefer... metafo... daquela coisa estranha que aconteceu. Uma palavra como metamorfose já era um esforço muito grande para o cérebro alcoolizado daquele inexato falante.

            Sim, é essa palavra que o narrador usou que eu queria dizer, me interrompeu Palito.

            Qual narrador, espantou-se Silvério com uma expressão que o fez fechar a cara e dar um solavanco no próprio pescoço para trás.

            Palito, por favor, não interfira na narrativa. Enquanto este baixou a cabeça e olhava para as próprias mãos, os outros fitavam o objeto no chão. Para um, apenas um ser vivo feito para ser esmagado sob a sola de um sapato, para o outro, um acessório feminino, mas ninguém tinha mais certeza de coisa alguma, exceto do nome do inseto, que, criteriosamente, nem era uma barata, e ilustrava a célebre novela de Kafka. A atenção deles foi brevemente desviada pelo arrastar de cadeiras ao redor de mais uma mesa que se esvaziava. Restando apenas duas ocupadas, firmaram um pacto de que seriam os últimos a sair do bar. Pediram a oitava rodada de cerveja.

            É o Gregor Samsa, perguntou Silvério ao garçom.

            Desculpe, senhor, respondeu sem entender coisa alguma.

            Não é nada, emendou Barbosa. Não pergunta para o garçom. Vai acabar com a graça.

            Foi a Clarice quem comeu, de repente, Palito saía de seu silêncio momentâneo.

            Quem comeu a Clarissa, perguntou espantado Silvério. A gordinha de dentes tortos da nossa sala? Aquela que está sempre segurando vela para a Margarete e o Isaac?

            Não é essa Clarissa, corrigiu Palito. É a Clarice que comeu o Gregor Samsa.

            Agora você me confundiu, disse Barbosa. Explique essa história, Palito.

            No livro, a Clarice come o Gregor Samsa porque é um antipecado.

            Não foi a Clarice Lispector quem comeu o Gregor Samsa, corrigiu Barbosa.

            Está na biografia dela, argumentou Palito. Minha ex-namorada tinha todos os livros dela e me contou essa história. A mulher estava limpando um quarto, viu uma barata igual a essa que está aí no chão e matou o bicho. Depois, ficou com culpa e comeu o inseto.

            Palito, você está confundindo tudo, insistiu Barbosa.

            Vai por ele, Palito. A mãe do Barbosa é professora de literatura e fazia ele ler essas escatologias, aconselhava Silvério.

            Essa história foi escrita pela Clarisse Lispector, enfatizava Barbosa. Essa mulher, que não era a autora, comeu o Gregor Samsa. Aliás, nem era a barata do Kafka, era uma barata qualquer. Estou tentando lembrar o nome do livro.

            Eu acho que foi a própria Clarice que comeu o Kafka, riu Palito.

            Todos riram do deboche. A primeira saideira? Todos concordaram. Silvério lembrou do pacto: seriam os últimos a deixar o bar. Uma cadeira se movimentou na outra mesa. Os três olharam com uma expectativa de triunfo. Dos cinco sujeitos que ocupavam a mesa rival, apenas um se levantou apressadamente em direção ao banheiro. Alarme falso.

            Tão logo o garçom os serviu, Barbosa teve um sobressalto.

            Está vindo, estou lembrando. O título do livro é uma paixão segundo, segundo... está na ponta da língua, mas não vem.

            Deixe eu ver essa língua, galhofou Silvério.

            Barbosa abriu a boca e esticou o órgão muscular o máximo que pôde. Chegou a tocar o próprio queixo, mas recolheu a língua ao sentir ânsia de vômito.

            Que bafo horroroso, reclamou Silvério, enquanto balançava as mãos na esperança de respirar um ar mais limpo.

            Não vá vomitar na Clarice e no Kafka, retrucou Palito. Tenha respeito.

            Todos riram da tirada espontânea.

            Lembrei, exclamou Barbosa. O título é A paixão segundo FH.

            Éfe Agá, questionou Silvério. Que merda de nome é esse? Fernando Henrique? O ex-presidente comia barata?

            Deve ser por isso que nunca mais se elegeu, completou Palito.

            Não é o ex-presidente, consertou Barbosa. FH é o nome da personagem do livro da Clarice Lispector, a mulher que tinha essa peculiaridade gastronômica.

            Seja pelo confusão provocada pelo álcool ou porque não eram muito conhecedores de literatura, os três amigos continuaram a chamar a personagem G.H., da obra “A paixão segundo G.H.”, de FH por mais alguns minutos.

            É G.H., como disse o narrador, mais uma vez Palito interrompeu a minha narrativa.

            Palito, por favor, mantenha-se no lado narrado do texto, deixe que eu cuido sozinho da narrativa.

            Enquanto os amigos tentavam dar algum sentido para as frases cada vez mais desconexas que emitiam, notaram que os cinco ocupantes da outra mesa se levantavam de suas cadeiras. Todos os olhos se viraram naquela direção para saborear o gosto pela vitória. Palito equilibrou a cadeira sobre as duas pernas posteriores, levantando as da frente. Acabou tombando para trás e caindo desacordado. Silvério e Barbosa se levantaram para acudir o amigo. Na tentativa de levantar Palito, eles se aproximaram do objeto inerte sobre o chão, que tanto rendera na discussão desta noite.

            Eu acho que é uma barata, disse Silvério.

            Não, é uma daquelas coisas que as mulheres usam no cabelo, retrucou Barbosa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher nua

Havia uma mulher nua na esquina. Vi de relance. Vi quase não vendo nada. A mulher nua estava em uma esquina; eu, na outra. Nossas trajetórias se encontraram na mesma rua, uma linha reta, mas com o pouco que vi, apenas percebi que ela estava nua. Duas ruas transversais nos separavam. Eu seguia um caminho, ela o cruzava em disparada. Tivesse eu passado trinta segundos antes, ou tivesse ela se atrasado meio minuto, estaríamos de frente um para o outro. Uma rota de colisão. Estivéssemos tão próximos, poderia lhe perguntar o porquê de estar nua. Por que estava nua na rua, mulher? O fato não teve outra testemunha. Toda a nudez foi apenas para os meus olhos. Foi tão rápido, uma correria, e meus olhos não enxergam muito bem à distância. Não sei se era bonita. A pele era branca, mas não era leitosa. Talvez gostasse de praia. A mulher nua talvez passasse horas no sol defronte ao mar. A morenice que os genes não lhe deram, haveria o sol de tratar. A mulher estava nua, mas não percebi marcas de bi…

"Poligamia Ou O Amor Maior" em pré-venda

O escritor Pablo Antunes lança o seu mais novo livro, Poligamia Ou O Amor Maior, em formato digital pela gigante Amazon. A obra concorre ao Prêmio Kindle de Literatura Nacional, e aborda importantes questões da atualidade.

O livro pode ser lido em tablets, celulares, dispositivos Kindle e computadores. À venda em: https://www.amazon.com.br/dp/B075GH8V4X/ por R$24,99.


Na história, que se passa em uma pequena cidade do interior, dois homens e três mulheres se envolvem em um relacionamento amoroso. A família polígama é alçada ao centro de um debate sobre o amor, o afeto e o sexo, que provoca questionamentos no comportamento em sociedade e no papel da política na vida privada dos cidadãos. Desse relacionamento incomum nasce o que o mundo não estava preparado para receber. E todos, perplexos, percebem que o impossível é apenas aquilo que ainda não aconteceu. 

Todos podem ler gratuitamente um trecho do livro em: https://goo.gl/9EmFDk
No Facebook, a fanpage é: https://facebook.com/poligamiapablo…

Lançamento de "Derrubada dos Muros e Outros Poemas"

https://www.amazon.com.br/dp/B074KRJQVG
Caros amigos e leitores,
está em pré-venda o meu primeiro e-book de poesia: Derrubada dos Muros e Outros Poemas na Amazon.com.br.

No próximo dia 15/08, Derrubada dos Muros e Outros Poemas chega em formato digital por apenas R$ 9,90. Encomende agora e receba no dia do lançamento.

São quarenta e três poemas entre inéditos e reescritos ao longo dos últimos meses, que abordam temas como: respeito à natureza e às diferenças, tolerância na busca por um mundo melhor e menos desigual, o fazer poético, as contradições humanas, os encontros e desencontros, afetos, amores, reflexões sobre a vida em constante movimento.

Por que lançar digitalmente? Porque quero que esses versos cheguem a vocês em seus celulares, tablets, Kindles e computadores. Quero que esses poemas possam acompanhá-los onde estiverem.

Quem quiser, também poderá encomendar uma edição artística, personalizada e autografada do livro impresso pelo e-mail:pablofnantunes@gmail.com

O e-book Derrubada d…