Pular para o conteúdo principal

O pai que não foi













         Uma chuva fina escurecia o céu invernal. Desperto às 6 horas de um domingo, Gaspar, deitado na cama ao lado da esposa, tentava recordar as imagens do recente sonho que tivera. Quem afinal era o homem que lhe dissera para entrar, mas que do mesmo jeito impassível lhe ordenara para sair? Embora buscasse um sentido para essa vivência onírica, não conseguia ligar os pontos e formar uma imagem explicativa. O trajeto na estrada em que todos os transeuntes, exceto ele, caminhavam de costas, corpos que não tinham braços, mas um olho na nuca, também não encontrava qualquer entendimento em sua racionalidade.

         Vestido com o pijama, os chinelos e uma capa de chuva, Gaspar foi até a frente de sua casa para buscar o jornal arremessado pelo entregador. O plástico que envolvia o periódico manteve as suas folhas secas, ao contrário dos pés dele, que deixaram pegadas molhadas no tapete da entrada da residência. Enquanto, na cozinha, preparava um café passado na cafeteira, Gaspar folheava o jornal à procura dos assuntos que mais o interessavam. Balançou a cabeça quando leu que o deputado eleito, entre tantos outros votantes, por ele na última eleição havia trocado de partido político e ingressado na base governista da qual sempre fora um adversário histórico. Adiante, a notícia de um professor espancado por um grupo de três alunas em sala de aula; depois, que o transplante de coração havia salvado a vida de uma estrela do cinema hollywoodiano. Na seção do obituário, leu o nome de Baltazar Moreira escrito em negrito entre outras palavras sem o mesmo destaque. Reconheceu a foto do idoso. Sabia que aquele dia chegaria, mas jamais soube como seria a sua reação.

ESTE CONTO ESTEVE DISPONÍVEL PARA LEITURA INTEGRAL até dezembro de 2014. Após essa data, poderá ser lido no livro Contos Perigosos que será lançado em fevereiro de 2015.












Acompanhe as novidades sobre esses Contos Perigosos em:
facebook.com/contosperigosos


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Poligamia" no Clube do Livro de Canela

Mais uma vez quero externar o meu agradecimento a todas as pessoas que compareceram ao encontro promovido pelo Clube do Livro de Canela para debater a minha mais recente publicação, Poligamia Ou O Amor Maior, nesta quinta-feira, 25 de janeiro. Foi ótimo perceber as diferentes leituras realizadas, e a maneira como o texto toca cada um dos leitores.

O livro Poligamia Ou O Amor Maior está disponível em edição impressa e digital.

Para encomendar o seu exemplar autografado diretamente com o autor, envie uma mensagem para o e-mail pablofnantunes@gmail.com ou via facebook.com/literomaquia

A edição digital está à venda em: https://www.amazon.com.br/dp/B075GH8V4X/










Visite a fanpage do livro: facebook.com/poligamiapabloantunes

Debate no Clube do Livro de Canela

Em janeiro, o Clube do Livro de Canela abre a nova temporada com o debate do livro Poligamia Ou O Amor Maior do escritor e psicólogo Pablo Antunes, radicado em Canela há cinco anos.

O encontro se dará na última quinta-feira de janeiro, dia 25 às 19h30, no Aroma Literário (Rua Visconde de Mauá, 641, Centro, Canela/RS).

Todos estão convidados a comparecer e debater, porque, muito mais do que um livro sobre poligamia, esta é uma obra que trata do amor. O livro desconstrói a ideia de que há uma maneira certa de amar, afinal é a partir da vivência de cada que se descobre como encontrar em si e para si o amor maior.

Em formato eletrônico, o livro está disponível em: 
https://www.amazon.com.br/dp/B075GH8V4X

O impresso é encontrado em: 
https://www.amazon.com/dp/1973570572

"O Grande Irmão" vai escolher o seu próximo presidente

Este texto é a minha mais recente colaboração com o Observatório da Imprensa. Convido-os à leitura.

"O Grande Irmão" vai escolher o seu próximo presidente
Por Pablo Antunes em 16/10/2017 na edição 962

"À medida que o tempo passa nos aproximamos do futurístico ano de 1984. Toda a contagem de tempo é uma abstração racional do ser humano para entender a natureza, por isso pouco importa se estamos em 2017, em 5778, em 1438 ou no ano do Galo de Fogo. O que nos interessa neste período histórico é que estamos cada vez mais próximos do controle social antecipado, talvez profetizado, pelo escritor George Orwell em sua famosa obra de ficção científica.

O xadrez político das democracias ganhou uma nova peça que se move com a leveza de uma rainha em meio a peões distraídos. Atuando no caro mercado das campanhas eleitorais desde 2013, a Cambridge Analytica deve chegar com força para operar nas eleições presidenciais brasileiras de 2018. Essa companhia britânica utiliza análise de dados …