Pular para o conteúdo principal

Coelho e Guerra








         Depois de dois dias chuvosos, as nuvens cinzentas ainda pairavam sobre a cidade. Uma trégua do gotejar, no entanto, dava uma pausa ao desfile de sombrinhas e guarda-chuvas que estava se tornando costumeiro. Em um pequeno apartamento, bem localizado em uma rua transversal que corta a principal, o sistema de calefação parara de funcionar novamente. O silêncio mortal que tomou conta do equipamento fez com que ele se levantasse da cadeira posta em frente ao computador. Com o punho fechado, uma pancada, duas, três, mas a solução primária não resolveu o problema. Nem mesmo os xingamentos que arrepiariam os pelos de um bravo foram suficientes para fazer o aquecimento tornar a funcionar. Talvez o aparelho não tenha entendido coisa alguma dos termos de baixo calão que a ele foram dirigidos, pois a inscrição made in China já faria supor que o português não era bem compreendido. Na parede da sala, oposta a onde estava o monitor do computador, um relógio analógico com um termômetro acoplado marcava 1º C dentro da residência. Com as mãos e os pés gelados, ele foi até o quarto e buscou o cobertor de lã pousado sobre a cama. De volta à sala, sentou-se novamente em frente à tela, cobrindo-se para prosseguir com o cadastro no site de relacionamentos, no qual, depois de algumas visitas, finalmente tomara a coragem de se inscrever. Embora as circunstâncias de sua vida tenham tornado-o um homem solitário, ou alguém que aprendeu a existir apenas na companhia de si próprio, este inverno o deixara um tanto melancólico, bastante saudosista; contudo, estava decidido a dar prosseguimento à sua nova vida, deixando as pessoas de seu passado fora de tudo o que desejava se tornar. Seu orgulho era maior do que a solidão que o dilacerava, pois enquanto um sentimento o fazia em cacos, o outro era uma cola que o tornava estático. Agora que estava de volta ao mundo, não procuraria quem o tinha deixado para trás, em uma espera por uma visita que foi se escasseando até nunca mais acontecer. Filhos e irmãos eram coisas, assim ele pensava, não pessoas, mas coisas que ficaram pelo caminho, tentando fazer mais fácil a tarefa de abandonar uma importante parcela do próprio passado. De realidade, no entanto, ele já estava cheio. Em frente ao computador, queria renascer como a pessoa que gostaria de ter sido, mas que se perdera em algumas das curvas da sua trajetória. No cadastro do site, precisava de uma identificação, de um login, de algo que dissesse bastante sobre si mesmo em um simples nome. Para ele, ser chamado por um nome ainda era algo tocante, com o qual tentava se acostumar, mas sem perder a enorme alegria que era ter uma identidade, de se sentir uma pessoa. Deixara para trás o número 7678, mas o sete-meia-sete-oito ainda não o abandonara. Sem jamais ter conseguido uma resposta para a questão “quem sou eu?”, não encontraria a si mesmo preenchendo um cadastro, e talvez temesse se aproximar da elucidação desse problema, então usou o próprio sobrenome para marcar quem era. Coelho, estava identificado. Era Coelho, e de algum modo sentiu que uma nova perspectiva de vida tinha início. O mundo agora era uma enorme cenoura e ele queria começar a ser feliz. Ao preencher o campo que lhe perguntava a idade, fez uso de uma lógica que o tornava sincero ao seu modo: descontou o tempo que lhe havia sido subtraído, então escreveu 30 no espaço vazio. Seguisse a mesma contagem válida para as outras pessoas, deveria ter colocado o dobro de anos, mas entendia que estava sendo sincero, ao menos com o que realmente tinha vivido.


ESTE CONTO ESTEVE DISPONÍVEL PARA LEITURA INTEGRAL até dezembro de 2014. Após essa data, poderá ser lido no livro Contos Perigosos que será lançado em fevereiro de 2015.












Acompanhe as novidades sobre esses Contos Perigosos em:
facebook.com/contosperigosos


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Temer tira a grande imprensa do vermelho

Este texto é a minha mais recente colaboração com o Observatório da Imprensa. Convido-os à leitura.

"Temer tira a grande imprensa do vermelho"
Por Pablo Antunes em 13/10/2016 na edição 923

"Há anos, cientistas políticos alertam que o pior de um presidencialismo de coalizão é a pulverização de favores a líderes políticos de diversos partidos em um troca-troca que envolve ministérios, secretarias e cargos de chefia em estatais em favor de apoio nas casas parlamentares e no aparelhamento do Estado.

A esse tenebroso cenário se soma uma outra coalizão que em nada respeita o direito do cidadão à informação e à liberdade de expressão. Desde que assumiu a presidência da república, interinamente, depois definitivamente, o governo Michel Temer elevou, sem qualquer constrangimento, as verbas publicitárias para a grande mídia oligárquica que produz as manchetes que informam e desinformam a maior parte da população brasileira. Essas empresas são: as Organizações Globo, as editoras Abril…

A mulher nua

Havia uma mulher nua na esquina. Vi de relance. Vi quase não vendo nada. A mulher nua estava em uma esquina; eu, na outra. Nossas trajetórias se encontraram na mesma rua, uma linha reta, mas com o pouco que vi, apenas percebi que ela estava nua. Duas ruas transversais nos separavam. Eu seguia um caminho, ela o cruzava em disparada. Tivesse eu passado trinta segundos antes, ou tivesse ela se atrasado meio minuto, estaríamos de frente um para o outro. Uma rota de colisão. Estivéssemos tão próximos, poderia lhe perguntar o porquê de estar nua. Por que estava nua na rua, mulher? O fato não teve outra testemunha. Toda a nudez foi apenas para os meus olhos. Foi tão rápido, uma correria, e meus olhos não enxergam muito bem à distância. Não sei se era bonita. A pele era branca, mas não era leitosa. Talvez gostasse de praia. A mulher nua talvez passasse horas no sol defronte ao mar. A morenice que os genes não lhe deram, haveria o sol de tratar. A mulher estava nua, mas não percebi marcas de bi…

TerŞarau de 16 de maio

Nesta terça-feira, 16/05, realizamos a edição do TerŞarau que abordou o tema "Ilusões" com interpretações do escritor Pablo Antunes e da artista plástica Giovana Vazatta.

No restaurante-café Josephina, em Gramado/RS, mais uma vez fomos muito bem acolhidos na casa gramadense do TerŞarau, onde tratamos do tema a partir dos enfoques das artes, da filosofia, da psicologia, da psicanálise, entre outros saberes.


Agradecemos a todo o público presente nessa noite tão especial para prestigiar o evento, especialmente ao Clube de Leitura da livraria Manas de Igrejinha/RS, que nos cedeu a maioria das fotografias registradas nessa noite.


Os poemas e textos recitados e declamados foram os seguintes:
“Vida ilusória” de Henry David Thoreau 
“A ilusão do imigrante” de Carlos Drummond de Andrade
“Conta a lenda que dormia” de Fernando Pessoa
“Quem sou eu além daquele que fui?” de Christian Gurtner
“A Parada da Ilusão” de João do Rio.
“Perdi os meus fantásticos Castelos” de Florbela Espanca.
“Ilusão Perd…