Pular para o conteúdo principal

Por que não celebrei o Natal

"Por que não celebrei o Natal" por Pablo Antunes

Assim como 5 bilhões de habitantes deste planeta, não sou cristão. Nas mais de três décadas vividas, cresci com uma avó católica, estudei em uma escola luterana, frequentei um centro espírita, de longe admirei o budismo; contudo, afastei-me do sentido sacro das religiões para observá-las e admirá-las por seu lado antropológico e mitológico. Atualmente, para mim, o cristianismo adquiriu um caráter de mitologia, assim como as antigas crenças gregas e egípcias. Portanto, celebrar o nascimento de Jesus de Nazaré seria o mesmo que comemorar as façanhas de Zeus ou de Osíris. Reunir-me com a família e amigos para festejar um acontecimento que não me toca mais seria o mesmo que preparar a ceia para o Ramadã ou o Hanuká. Nada disso me envolve mais. O dia 24 de dezembro se tornou como os dias 8, 12 ou 20, 28. Portanto, resolvi não fingir a mim mesmo ao desejar um feliz alguma coisa sem significado nenhum para mim.

Livre dos dogmas ou das certezas absolutas das religiões, sou um livre pensador sem receio de questionar o que for. Prefiro aprender com minhas dúvidas, com minhas indagações e com cada descoberta a prender-me a certezas que jamais conseguiram me convencer. Tenho um conhecimento relativamente bom das histórias bíblicas do Velho e do Novo Testamento, pois, como escritor, reconheço a força das suas narrativas na construção de mitos. Como psicólogo, interessam-me as variedades dos tipos psicológicos e como as personalidades influem na construção do imaginário do homem moderno. Não sendo cristão, admiro a mensagem de tolerância, de respeito e de amor propagada por Jesus Cristo. Aliás, sigo, desde quando estava sendo alfabetizado, um ensinamento que muitos atribuem a Jesus, mas que foi pronunciado pelo filósofo chinês Confúcio cerca de cinco séculos antes do nascimento do outro. Dizia ele: "Não faças aos outros o que não queres que façam a ti". Desde criança, esse é o mote da minha vida. Não preciso de nenhum regulador a me controlar para impedir que o mal seja feito. Basta-me saber que não sou melhor do que ninguém, nem tenho o direito de causar dano a outros seres, portanto não me refiro apenas a humanos, mas também a outras formas de vida.

Na noite de 24 de dezembro, senti uma paz interior possível apenas aos que são autênticos e verdadeiros consigo mesmos. Em minha busca pelo autoconhecimento e por erradicar a hipocrisia, preparei o jantar, ouvi jazz e li Dostoiévski. Como em uma noite qualquer, mas com o orgulho de não precisar fazer algo apenas para agradar a outras pessoas (mesmo aquelas que me são muito caras) ou para seguir no fluxo, apenas por ser o que todos fazem.

Aos que veem sentido no Natal, aos que são tocados por seu sentido religioso – e não apenas comercial –, desejo ótimas celebrações a cada solstício. Respeito todas as crenças, da mesma forma que espero respeito por minha incredulidade.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher nua

Havia uma mulher nua na esquina. Vi de relance. Vi quase não vendo nada. A mulher nua estava em uma esquina; eu, na outra. Nossas trajetórias se encontraram na mesma rua, uma linha reta, mas com o pouco que vi, apenas percebi que ela estava nua. Duas ruas transversais nos separavam. Eu seguia um caminho, ela o cruzava em disparada. Tivesse eu passado trinta segundos antes, ou tivesse ela se atrasado meio minuto, estaríamos de frente um para o outro. Uma rota de colisão. Estivéssemos tão próximos, poderia lhe perguntar o porquê de estar nua. Por que estava nua na rua, mulher? O fato não teve outra testemunha. Toda a nudez foi apenas para os meus olhos. Foi tão rápido, uma correria, e meus olhos não enxergam muito bem à distância. Não sei se era bonita. A pele era branca, mas não era leitosa. Talvez gostasse de praia. A mulher nua talvez passasse horas no sol defronte ao mar. A morenice que os genes não lhe deram, haveria o sol de tratar. A mulher estava nua, mas não percebi marcas de bi…

"Poligamia Ou O Amor Maior" em pré-venda

O escritor Pablo Antunes lança o seu mais novo livro, Poligamia Ou O Amor Maior, em formato digital pela gigante Amazon. A obra concorre ao Prêmio Kindle de Literatura Nacional, e aborda importantes questões da atualidade.

O livro pode ser lido em tablets, celulares, dispositivos Kindle e computadores. À venda em: https://www.amazon.com.br/dp/B075GH8V4X/ por R$24,99.


Na história, que se passa em uma pequena cidade do interior, dois homens e três mulheres se envolvem em um relacionamento amoroso. A família polígama é alçada ao centro de um debate sobre o amor, o afeto e o sexo, que provoca questionamentos no comportamento em sociedade e no papel da política na vida privada dos cidadãos. Desse relacionamento incomum nasce o que o mundo não estava preparado para receber. E todos, perplexos, percebem que o impossível é apenas aquilo que ainda não aconteceu. 

Todos podem ler gratuitamente um trecho do livro em: https://goo.gl/9EmFDk
No Facebook, a fanpage é: https://facebook.com/poligamiapablo…

Lançamento de "Derrubada dos Muros e Outros Poemas"

https://www.amazon.com.br/dp/B074KRJQVG
Caros amigos e leitores,
está em pré-venda o meu primeiro e-book de poesia: Derrubada dos Muros e Outros Poemas na Amazon.com.br.

No próximo dia 15/08, Derrubada dos Muros e Outros Poemas chega em formato digital por apenas R$ 9,90. Encomende agora e receba no dia do lançamento.

São quarenta e três poemas entre inéditos e reescritos ao longo dos últimos meses, que abordam temas como: respeito à natureza e às diferenças, tolerância na busca por um mundo melhor e menos desigual, o fazer poético, as contradições humanas, os encontros e desencontros, afetos, amores, reflexões sobre a vida em constante movimento.

Por que lançar digitalmente? Porque quero que esses versos cheguem a vocês em seus celulares, tablets, Kindles e computadores. Quero que esses poemas possam acompanhá-los onde estiverem.

Quem quiser, também poderá encomendar uma edição artística, personalizada e autografada do livro impresso pelo e-mail:pablofnantunes@gmail.com

O e-book Derrubada d…