Pular para o conteúdo principal

"Sinisdestra": 12

"Sinisdestra" é um livro de contos interligados por um tema comum a todos.
Você encontra as partes anteriores nas postagens antecedentes.



12.

Um gordo mosquito escuro saltitava pelas paredes do quarto realizando incompreensíveis movimentos de avanço e de recuo sobre a parede branca. Do lado direito da cama, a esposa dormia com uma máscara facial a lhe cobrir os olhos; do esquerdo, o ex-desembargador Miguel Martins, destituído de seu cargo após a ocupação do país e a perda da soberania nacional, se distraía de sua leitura e fixava o olhar no inseto que vacilava em idas e vindas, aparentemente, indecifráveis para um observador humano leigo. Habituado a interpretar intenções, formar conceitos, emitir pareceres, o ex-desembargador buscava a intencionalidade do mosquito que cada vez mais se aproximava dele. Com um movimento rápido, Miguel Martins fez do livro que tinha em mãos uma armadilha e apanhou o pequeno animal dentro do grosso volume. Não se tratava de uma obra qualquer, mas da antiga constituição nacional. Anulada devido à anexação do país aos invasores, aquela carta magna era um dos orgulhos deste homem, um dos constituintes, uma figura central na definição dos direitos dos cidadãos da nação – direitos estes que estavam subjugados pela opressão militar. Depois de olhar para o lado e perceber que a mulher não se mexera, permanecia em um sono profundo induzido por tranquilizantes, ele abriu o livro nas páginas marcadas para ver o que sobrara do inseto. Justamente na seção que tratava da separação dos poderes executivo, legislativo e judiciário, uma mancha de sangue circundava o cadáver esmagado do mosquito. Com nojo da cena visualizada, o ex-desembargador soltou a obra caduca no chão, a mesma que por muito tempo o orgulhou. A mancha rubra formada pelo sumo de tantos desconhecidos sobre a distinção dos três poderes denunciava a corrupção endêmica que se apossara das figuras públicas que ditavam os rumos do país. A própria assembleia constituinte foi composta por figuras externas ao poder legislativo, tendo em figuras centrais do executivo e do judiciário algumas das vozes de comando. Se no texto havia alguma distinção, o cotidiano político apresentava interferências obscuras movidas por razões imorais.

Incomodado por lembranças do passado que costumeiramente o acometiam, desde que havia perdido o seu importante posto no tribunal supremo da nação, Miguel Martins se levantou da cama. No banheiro, sentado no vaso sanitário, recordava a sensação de alívio que sentira quando o poder legislativo aprovou uma lei que criava uma polícia judiciária com o intuito exclusivo de investigar possíveis irregularidades no poder judiciário. Como ele era o chefe dessa representação, nenhuma conduta anormal foi descoberta, com isso o seu crime de sonegação de imposto de renda jamais sofreu diligências para que fosse revelado. Da mesma forma, ele fora responsável pelo arquivamento do processo contra João Remocaim, no qual este era acusado de ter se beneficiado ilicitamente da venda de ações da recém-privatizada companhia estatal de minérios, negócio que rendera ao ex-senador a triplicação da sua fortuna. Quando foi cortar um pedaço de papel higiênico para se limpar, constatou que este estava em falta. Sujo, resolveu tomar uma ducha. Enquanto se limpava, começou a chorar. Sentia-se traído, abandonado pelos homens que tanto se beneficiaram da sua influência no judiciário nacional. Agora, era um desembargador destituído do seu poder, alguém que não tinha mais nenhuma influência decisória na sociedade, se sentia um ninguém. Acostumara-se a decidir a vida das pessoas; afastado dessa possibilidade, tinha a sua vaidade ferida, um dilaceramento do homem que pensava ser. Miguel Martins se confrontava com a dura realidade de ser importante apenas para aquelas pessoas que assim o consideravam, e a quem ele afirmava essa importância; porém, para os governantes e os militares do país invasor, ele não passava de um qualquer, alguém que se necessário fosse seria removido. Não teve outra atitude o novo governo, quando extinguiu os três poderes constituídos e fez com que Miguel Martins perdesse o cargo que exercia no tribunal supremo. Seus olhos estavam vermelhos, misturando as lágrimas e a água cadente do chuveiro. Maldizendo João Remocaim, aquele que tivera o privilégio de permanecer em uma boa situação política, apesar dos revezes, o ex-desembargador culpava o antigo aliado por não interceder em seu favor. Outro ministro do tribunal supremo havia recebido um cargo simbólico no novo governo, o que lhe dava algum sentido à vida. Miguel Martins, que nos últimos quarenta anos sabia apenas julgar, se comparava a um pássaro que perde as asas.

Secando o corpo com uma toalha felpuda, ele não lembrava se tinha tomado o remédio antidepressivo. Tentando forçar a memória, também não conseguia recordar se tinha engolido o comprimido no dia anterior. Depois de vestir o pijama, foi até o armário de medicamentos. Tão logo abriu o mobiliário, de lá saiu uma barata. Com o chinelo na mão, desferiu vários golpes na peça de madeira até que, finalmente, acertasse o alvo. Raivoso, bateu tantas vezes no inseto, que o exoesqueleto da barata foi esfacelado, deixando o corpo com uma forma irreconhecível. Além do calçado, suas mãos também estavam sujas com as entranhas do pequeno animal. Desejou fazer o mesmo com João Remocaim, queria esmagar o crânio do antigo parceiro de burlas ao erário da nação. Com o remédio em mãos, ainda não tinha certeza de quando tinha sido a última vez que havia consumido a medicação, por isso, em uma decisão de momento, considerando o seu estado alterado, julgou que deveria contrabalançar a possível falta anterior com uma compensação imediata. Separou três comprimidos e foi até a cozinha à procura de uma copo d’água. Assim que se serviu da jarra, jogou todo o líquido no ralo da pia. Já estava velho, não tinha mais o seu emprego, o destituíram do seu poder, se transformara em mais um a quem cabia aceitar as decisões de outros sem qualquer influência. Com muitos pensamentos autodepreciativos, serviu um copo de uísque e a cada gole ingeria um medicamento lambuzado no líquido viscoso da barata morta. Sozinho na cadeira estofada em frente à mesa da cozinha, o ex-desembargador bebeu mais quatro doses antes de ir até o escritório e abrir um armário que ficava permanentemente fechado. De dentro, tirou um revólver, a mesma arma que usou quando serviu o exército nacional. Retornou ao quarto e observou a mulher que dormia. Disse a ela que faria justiça, que ainda era um desembargador, que faria justiça. Dopada pelos tranquilizantes, a esposa seguiu o sono a que estava entregue, e não ouviu uma palavra do que foi dito.

Vestindo o seu pijama e chinelos de dedo, o revólver firmemente seguro na mão direita, ele saiu pela porta do apartamento e apertou o botão do elevador. Começou a falar mais alto, ameaçando João Remocaim como se este estivesse presente para ouvir os impropérios. Ingressou no transporte vertical e desceu na garagem subterrânea. Eram três andares sob o solo destinados aos automóveis, e Miguel Martins estava verdadeiramente confuso. Mesmo com a idade avançada, começou a correr pelo estacionamento à procura do seu carro com a arma apontada para a frente e elencando diferentes xingamentos ao desafeto. Dois funcionários do edifício apareceram para pedir que ele se acalmasse, que largasse a arma e que falasse no idioma local. Tropeçando nas próprias pernas, o ex-desembargador caiu com o rosto no chão. Os homens que se aproximavam se detiveram quando perceberam que o velho se virava com dificuldade, mas mantinha a arma na mão direita. Miguel Martins, mais uma vez, ouviu a linguagem distinta da sua e começou a perceber o que estava fazendo. Desde que fora destituído do seu cargo no tribunal supremo, ele e a esposa se exilaram em outro país. Era inútil sair com um revólver à caça de João Remocaim, pois o político permanecia no país ocupado. Caindo em si do ridículo que estava passando, uma figura tão distante do homem que imaginava ser, uma lágrima lhe brotou no olho. Apontou a arma para o próprio peito e disparou.

As últimas palavras em um idioma estrangeiro que ouviu foram: decidiu se matar. Sim, se haviam lhe tirado todo o poder de deliberar a respeito da vida dos outros, ainda lhe restava a definitiva sentença sobre si mesmo: a condenação a viver ou a morrer.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Temer tira a grande imprensa do vermelho

Este texto é a minha mais recente colaboração com o Observatório da Imprensa. Convido-os à leitura.

"Temer tira a grande imprensa do vermelho"
Por Pablo Antunes em 13/10/2016 na edição 923

"Há anos, cientistas políticos alertam que o pior de um presidencialismo de coalizão é a pulverização de favores a líderes políticos de diversos partidos em um troca-troca que envolve ministérios, secretarias e cargos de chefia em estatais em favor de apoio nas casas parlamentares e no aparelhamento do Estado.

A esse tenebroso cenário se soma uma outra coalizão que em nada respeita o direito do cidadão à informação e à liberdade de expressão. Desde que assumiu a presidência da república, interinamente, depois definitivamente, o governo Michel Temer elevou, sem qualquer constrangimento, as verbas publicitárias para a grande mídia oligárquica que produz as manchetes que informam e desinformam a maior parte da população brasileira. Essas empresas são: as Organizações Globo, as editoras Abril…

A mulher nua

Havia uma mulher nua na esquina. Vi de relance. Vi quase não vendo nada. A mulher nua estava em uma esquina; eu, na outra. Nossas trajetórias se encontraram na mesma rua, uma linha reta, mas com o pouco que vi, apenas percebi que ela estava nua. Duas ruas transversais nos separavam. Eu seguia um caminho, ela o cruzava em disparada. Tivesse eu passado trinta segundos antes, ou tivesse ela se atrasado meio minuto, estaríamos de frente um para o outro. Uma rota de colisão. Estivéssemos tão próximos, poderia lhe perguntar o porquê de estar nua. Por que estava nua na rua, mulher? O fato não teve outra testemunha. Toda a nudez foi apenas para os meus olhos. Foi tão rápido, uma correria, e meus olhos não enxergam muito bem à distância. Não sei se era bonita. A pele era branca, mas não era leitosa. Talvez gostasse de praia. A mulher nua talvez passasse horas no sol defronte ao mar. A morenice que os genes não lhe deram, haveria o sol de tratar. A mulher estava nua, mas não percebi marcas de bi…

TerŞarau de 16 de maio

Nesta terça-feira, 16/05, realizamos a edição do TerŞarau que abordou o tema "Ilusões" com interpretações do escritor Pablo Antunes e da artista plástica Giovana Vazatta.

No restaurante-café Josephina, em Gramado/RS, mais uma vez fomos muito bem acolhidos na casa gramadense do TerŞarau, onde tratamos do tema a partir dos enfoques das artes, da filosofia, da psicologia, da psicanálise, entre outros saberes.


Agradecemos a todo o público presente nessa noite tão especial para prestigiar o evento, especialmente ao Clube de Leitura da livraria Manas de Igrejinha/RS, que nos cedeu a maioria das fotografias registradas nessa noite.


Os poemas e textos recitados e declamados foram os seguintes:
“Vida ilusória” de Henry David Thoreau 
“A ilusão do imigrante” de Carlos Drummond de Andrade
“Conta a lenda que dormia” de Fernando Pessoa
“Quem sou eu além daquele que fui?” de Christian Gurtner
“A Parada da Ilusão” de João do Rio.
“Perdi os meus fantásticos Castelos” de Florbela Espanca.
“Ilusão Perd…